DESEMPREGO DAS QUARENTENAS E LOCKDOWNS CHEGA A SER PIOR QUE A RECESSÃO DA DILMA, A PIOR DE TODAS

Na edição desse sábado o jornal Folha de São Paulo traz uma matéria comparando dados da retração econômica causada pelas quarentas da pandemia em contraste com a pior das recessões que o Brasil já teve (33 meses), que foi provocada pela política econômica desastrosa do governo Dilma (2014/2016).

Os dados históricos revelam que a queda do PIB no período 2014/2016 foi de 8%, a segunda maior desde 1980, abaixo dos 8,5% de queda do PIB na recessão de 1981/1983, segundo o IBGE.

Segundo o jornal apurou a partir de um levantamento da consultoria iDados, o país encerrou 2020 com a pior média de desemprego. Mas o tombo não é só nos índices de emprego, pois outros indicadores baterem recordes de queda entre os segmentos de trabalhadores subutilizados.

Os dados do IBGE revelam que o desemprego médio atingiu 13,4 milhões de pessoas em 2020 como consequência das quarentenas da pandemia. Já a taxa de desocupação registrou índice de 13,5%, o maior da série histórica da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), que teve sua edição inicial em 2012.

O levantamento da iDados, no entanto, comparando números de pesquisas atuais e antigas do IBGE, revela que o desastre é o maior desde 1993.

 

Paulo Moura
dextrajornalismo@gmail.com
1 Comentário
  • James Dressler
    Postado em 14:29h, 27 fevereiro Responder

    Somando as duas fases, a esquerda, com suas práticas (anti)econômicas, já acumula uns 16% de recuo do PIB em menos de uma década. Nem da pandemia como desculpa eles precisam, e nem mesmo a presidência da República (eles dão um jeito através de seus diversos braços), para causar ou aprofundar o caos.

Postar Um Comentário

quatro + seis =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.