FUSÃO DE DADOS DO WHATSPP COM FACEBOOK PROVOCA NOVA ONDA DE MIGRAÇÃO DE ATIVISTAS PARA O TELEGRAM E O PARLER

Fonte:  Reprodução 

Recentemente os usuários do Whatsapp começaram a receber em seu aplicativo de mensagem a nota acima enviada pela corporação de Mark Zuckerberg, dono do Facebook que comprou o WhatsApp em 2014.

A partir de 08/02/2021 as duas mídias serão totalmente integradas. Os usuários que não aceitarem a imposição do compartilhamento de dados entre as duas plataformas serão sumariamente excluídos.

Ao clicar CONCORDO , o usuário estará, automaticamente autorizando que suas mensagens, endereço de IP e interações com pessoas e empresas, entre outras informações, sejam monitoradas de forma integrada pela megacorporação de Zuckerberg.

Segundo um porta-voz da empresa informou ao site Tecmundo, “A conta não é apagada, mas fica indisponível até o usuário aceitar a nova política de privacidade”. A nova política vale para as versões pessoal e Business do Whatsapp.

Com a unificação das plataforma dados de clientes do WhatsApp Business, “como nome, número de telefone, aparelho, transações e pagamentos, além de outras informações anônimas, serão compartilhados automaticamente com as contas corporativas no Facebook das companhias que contem com a opção”, informa Tecmundo.

A corporação assegura, no entanto, que o conteúdo das mensagens continuará criptografado de ponta a ponta, sendo somente acessível ao emissor e ao receptor do conteúdo: “Cada usuário será notificado dentro da própria conversa se a empresa com quem ele está falando optou por usar o Facebook para gerenciar e armazenar suas mensagens de WhatsApp”.

Para evitar que isso ocorra, o usuário que permanecer do Whatsapp terá que evitar usar ou bloquear o canal de contato via app com as empresas que utilizam os dados coletados dessa forma.

 

A nova política gerou uma enorme debandada de ativistas e grupos de ativistas conservadores para o Telegram e para o Parler. Por enquanto os que estão adotando o procedimento mantém as contas e grupos operando nos ambientes virtuais de Zuckerberg e dos concorrentes. O eventual bloqueio definitivo dos que não aderirem à nova política pode levar ao abandono das mídias do Facebook.

Paulo Moura
Paulo Moura
dextrajornalismo@gmail.com
2 Comentários
  • Avatar
    José de Anchieta Toschi
    Postado em 19:15h, 10 janeiro Responder

    Paulo Moura,
    Como ficam essas atitudes do Facebook/WhatsApp em face à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais? A conta de um usuário pode até não mais ser aceita, mas não vejo, e nisso posso estar enganado, como essas plataformas unificadas poderão recusar legalmente uma solicitação de anonimização de dados.
    Me parece que em breve iremos assistir a quedas de braço entre essas plataformas e representantes da autoridade governamental. Ou não?

    • Paulo Moura
      Paulo Moura
      Postado em 21:31h, 10 janeiro Responder

      Estamos diante de um impasse político que terá que ser definido no terreno da política e nada podemos esperar vindo do novo governo dos EUA. Talvez algo ocorra no Brasil. Mas creio que luta política e jurídica terá que vir do povo e dos usuários. Se nada for feito estaremos, se já não estamos, vivendo um novo tipo de ditadura.

Postar Um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.