VACINA RUSSA SPUTNIK V NÃO ATENDE REQUSITOS DA ANVISA E PEDIDO DE USO EMERGENCIAL É RECUSADO

Um dos requisitos mínimos estabelecidos pela Anvisa para analisar pedidos de uso emergencial de vacinas, é o de que as mesmas se encontrem, no mínimo, na fase três de testes.

Por esse motivo a (Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa) devolveu a solicitação para uso emergencial da vacina Sputnik V. A decisão foi tornada pública numa nota divulgada ontem (16/01), na que a Anvisa informou que que a vacina não apresenta “requisitos mínimos para submissão e análise”.

O laboratório União Química, que representa do Brasil o fundo de investimentos russo que financiou a vacina foi quem solicitou autorização para começar os testes no Brasil. No entanto, a Anvisa  está aguardando,  desde 4 de janeiro, que lhe sejam enviadas “de informações essenciais” para atender ao pedido do laboratório.

Após o envio dos documentos, que retratam fases de testes feitos no exterior, o laboratório terá que desenvolver testes no Brasil para obter a autorização solicitada, pois as normas da Anvisa definem que “é necessário que tais estudos estejam em andamento no país, além de outras medidas condicionantes já previstas”.

Além desse requisito, o laboratório pretendente a fazer uso de vacinas no Brasil agência precisa apresentar estratégias detalhadas sobre os estudos, assim como sobre a segurança e eficácia da vacina no longo prazo.

Paulo Moura
Paulo Moura
dextrajornalismo@gmail.com
Sem Comentários

Postar Um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.